sábado, novembro 25, 2006

Carrinhos de linhas, manias e utopias.

Photobucket - Video and Image HostingExiste uma certa grandeza em repetir todos os dias a mesma coisa. O homem só vive de detalhes e as manias têm uma força enorme: são elas que nos sustentam.

Raúl Brandão



O subconsciente traz-te os slogans errados, ene coisas que o teu pai te implantou e as bibliotecas impregnadas de esoterismo da tua mãe. É claro que nada foi impedimento e passei a enrolar um carrinho de linha, com estradas de outros carrinhos que existem perdidos em todas as mansões e mansardas dos nossos diagnósticos lunares. Das noites no telhado e do cinema Pax Julia mesmo ali à porta, estão transplantados muitos dos teus sonhos levados por cápsulas e comprimidos hipocondríacos. E depois um Sítio do Pica-Pau Amarelo com muitas personagens, clínicas e depressões avulsas. Tu eras um Pedrinho, eu uma Narizinho, o teu pai uma Cuca versão masculina, a tua mãe, por algum tempo, a D. Benta, o teu irmão um Visconde que parecia derramar inteligência e ainda uma Emília louca que nasceu dentro de ti e que te transformou num profeta, a tua doença. Os pombos correio traziam-te postais do inferno que disfarçavas mandando-os de volta em efemérides para as meias horas que o Diabo te dedicava. Talvez sentisses que estava perto a mania que te havia de transformar no meu herói da Marvel dos livros de estimação do Visconde. Mania que te leva à alucinação sem ser necessário qualquer narcótico. Ao trapézio sem rede. As tuas mágoas eram lavadas no bar dos afogados, o meu colo que sente as tuas energias. Sei lá, acho que este colo foi feito para ti e para o desenho do porquinho cor-de-rosa do Visconde pequenino que despoletou uma grande tareia da Cuca, porque no Alentejo só existiam porcos pretos. Que ousadia foi uma criança sarapintar um bicharoco daqueles com a cor dos lacinhos e dos espartilhos das meninas. Que audaz foi teres nascido bipolar e de só eu te saber camuflar a controversa personalidade que te leva ao palco de Deus e a quereres ser a estrela da alva. Lembro-me de acordares brilhante e sem rumo no meio das cidades que construo de papéis e tudo o que guardo com a sensação que vou precisar mais tarde. Tralha e tralha mas nunca igual à que a Cuca arrumava com cuidado na tua pura mesinha de cabeceira psicológica. Eras o meu livro preferido sempre presente. De todos os meus livros, e mania de coleccionar livrarias, eras aquele que a D. Benta me deu e autorizou a ler. Há tantos que ainda não li mas carrego-os comigo para todo o lado como carrego a tua fotografia até para a praia (que excentricidade) com a esperança de voltar a olhar preocupada para a maré alta e ver-te desaparecer para fazeres a travessia dos mares num kayak. Eras o meu book da boa arte de negociar, o book que a Cuca se encarregou de desacreditar perante todos. Quando eras o melhor em trading, na empresa. Para mim o melhor nas Alimentárias* de Paris, Colónia e Barcelona, ninguém negociava melhor do que tu. Mas ninguém podia ser melhor que a Cuca. Ninguém podia carregar uma Emília maior que a que a Cuca carrega e que lhe dá poderes quase sobrenaturais e de resistência às horas do dia e a noites soberbas sem dormir. Havia uma diferença fundamental a tua Emília não tinha maldade. Lá está, há mares calmos e amenos e há o mar do norte. Há o Verão e o Inverno. Há os bom amigos e os maus aqueles que se deixam comprar e que a Cuca compra (e escusam de dizer que isto é a minha mania das perseguições), tenho a certeza e mais não posso falar. Todos se esqueceram deste meu conhecimento de cada letra do teu livro. Todos se habituaram a ver-te caminhar sem muletas familiares e a não ter o hospital dos malucos como pano de fundo. Passaram 12 anos, muitos hectares de amor. Partiste deixando-me no cabeleireiro, também tenho este desejo imoderado do cabelo sempre penteadinho, para voltares umas míseras páginas depois e me pedir para ser a tua biblioteca de novo. Partiste porque a Cuca assim mandou. Mas a Emília voltou... O meu carrinho de linha caiu, acho que já não o consigo desenlear, no fundo tenho medo de partir a linha. Ou não tenho coragem de a partir? Hoje tenho o Sítio e família à minha espera, até a Cuca imaginem! Afinal és filho e o dinheiro não compra saúde e amor verdadeiro, tá visto. Esperam por mim à porta do Júlio de Matos. Já lá entrei e vim muito feliz... Encontrei-te, já não és Jesus Cristo... Estás a regredir na hierarquia, estás melhor. Hoje olhei para ti e disseste-me: Estás a ver as minhas sobrancelhas? Não te lembra ninguém? Hummm... Eu sou o Profeta Daniel...




*Feira Internacional de Alimentação
(Negociação de todos os produtos alimentares)


NOTAS
Após esta reflexão, e não fugindo de forma alguma ao tema principal que me traz aqui hoje, respondo ao desafio que o Alexandre do Fundamentalidades me dirigiu (aqui) . Ao longo do post encontram-se as minhas 5 manias.



LINKS

  • Psicose Maníaco-Depressiva


  • Associação de Apoio aos Doentes Depressivos e Bipolares


  • Depression and Bipolar Support Aliance


  • Sítio do Pica-Pau Amarelo



  • Um dos filmes da minha vida e que retrata a doença que neste post chamei de Emília:
  • Mr. Jones

  • Mr. Jones


    BAR

    Hoje sirvo um long drink Angel Face
    Ingredientes:
    3cl de Vermuth Tinto
    3cl de Campari Bitter

    Preparação:
    Agitar tudo no mesmo copo. O copo deverá ser do tipo long-drink.
    Acabar de encher com água gaseificada.
    Para decorar:1/2 rodela de laranja e 1 casca de limão.

    9 comentários:

    MARTA disse...

    Olá, Angel - gostei mto do post.
    Este filme é tb um dos meus favoritos - retrata mto bem uma realidade que nos assusta e nos faz olhar para o outro lado.
    Obrigada.
    Em despedida, tipo SMS
    Um xi
    Marta

    angel bar disse...

    Obrigada Marta. Tinha o tema deste post em mente e aproveitei também para colocar as minhas manias respondendo ao desafio do Alex. O post a mim diz-me muito porque conheço esta doença, atrevo-me a dizer, ao pormenor, por convivência directa com alguém que a "traz" consigo. Ao longo do tempo falarei do assunto e com mais particularidades pois aqui deixei muito pouco, talvez uma chamada de atenção para o tema, já que a doença acaba por tornar as pessoas que nasceram com ela pessoas muito especiais e com capacidades superiores ao homem em geral. Capacidades essas muitas vezes apagadas pelo fantasma da patologia. Um grande beijinho.

    Alexandre disse...

    Angel
    Que post fantástico!
    Até fiz um print para ler com mais atenção e descobrir, então, essas manias que de certeza são manias excelentes... vindas da Angel!!!

    Aquele meu diário ainda está na gaveta mas um dia irá sair. Repesquei este dia 27 porque foram acontecimentos que quase ninguém se lembra ou que não conhecem mas porque eram muito pequenos (como a Angel).
    Entretanto, troquei a música - que não arrancava - pela Flor sem Tempo do Paulo de Carvalho, para um dos hinos da música portuguesa.

    Um beijinho grande. estou desejoso de experimentar esse cocktail. Beijokas. Bom começo de semana - e agora com posts quase todos os dias, que bom!!!

    angel bar disse...

    Obrigada Alex. O Alex sabe daquilo que falo... E as minhas manias estão presentes, é verdade... E acho que muito evidentes. Fiquei deveras satisfeita com o seu post e quero ver isso transformado em muito mais. Vou torcer por isso. Beijinhos

    MARTA disse...

    SMS:
    Olá, só desejar-lhe um bom feriado.
    Beijos e abraços
    Marta

    Cristina disse...

    Olá angel,
    Eu a ler o texto pensava, ela tem manias lol, sem saber que realmente era isso que estavas a fazer, ficou giro, adorei
    :)
    beijinhu

    MARTA disse...

    Passo aqui para deixar um SMS:
    Obrigada pela visita; é exactamente isso - amor por nós próprios o mais importante de tudo.
    Obrigada mais uma vez - até já.
    Beijos e abraços
    Marta

    Alexandre disse...

    Oh, espero ansiosamente agora pelo próximo post....


    Beijinhos e bom fim-de-semana!

    Anónimo disse...

    Olá é só para dizer bom dia, e já agora a minha bebida é mais licor beirão com duas pedras de gelo. Lol. Beijinhos deste teu amigo Sérgio.